portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

21 247 65 00

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

Construção está muito focada no segmento de luxo

2019-06-10

Habitações para classe média não chegam para satisfazer procura. Reabilitação fez subir os preços das rendas A seguir Rendas sobem 268€ desde 2012 e prestações da casa descem 190€ Mais Vistas RESTAURAÇÃO McDonald’s mais bonito do mundo fica em Portugal POUPANÇA 14 locais vendem eletrodomésticos a metade do preço. Em todo o país AUTOMÓVEL A garagem milionária (e exclusiva) de Cristiano Ronaldo VIAGENS Tem 21 anos e é a mais jovem a visitar todos os países do mundo FUNÇÃO PÚBLICA Estes são os salários da função pública nas diferentes profissões A classe média e média baixa não tem casas, nem para arrendar nem para comprar. E o mercado ainda vai demorar a dar resposta. Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), assegura que “a construção está muito focada nos projetos para a classe alta”, que “não há vontade de construir” para os outros segmentos populacionais. Já no arrendamento, as poucas casas disponíveis são “postas no mercado com um valor de renda que os portugueses não podem pagar”, sublinha António Frias Marques, presidente da Associação Nacional dos Proprietários.
A entrada em vigor do Novo Regime de Arrendamento Urbano (NRAU) acabou por ser um tiro no pé na dinamização do setor. Os senhorios conseguiram recuperar parte dos imóveis que tinham no mercado e, quando os voltaram a colocar para arrendar, aumentaram os preços. António Frias Marques lembra que “a maior parte dessas casas que vieram parar às mãos dos proprietários estavam num estado lastimável”, obrigando a obras de recuperação. Segundo o responsável, uma área de 100 metros quadrados obriga a um investimento mínimo de 30 mil euros para garantir as necessárias comodidades, o que encarece o arrendamento. Mais 55 mil casas Com os preços em alta e a afluência de estrangeiros ao país, esses imóveis ficaram longe das carteiras dos portugueses. “Estão a competir com outras pessoas que vêm do estrangeiro e que não discutem o preço”, frisa. Segundo António Frias Marques, os senhorios também estão muito apreensivos devido aos níveis de incumprimento nos pagamentos das rendas. Por isso, “privilegiam os estrangeiros, não há hipóteses para os portugueses competirem”. Luís Lima alerta que esta concentração no mercado de luxo irá trazer em breve problemas, porque “vai haver excesso de oferta”. Em contrapartida, a construção de habitações para a classe média “é um negócio sem risco”, dada a elevada procura. “Os portugueses com salários de mil euros não podem pagar prestações de 700, é um valor mensal demasiado elevado”, diz. Reis Campos, presidente da Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas, assegura que há 55 mil casas licenciadas, umas em construção outras em vias de se iniciar. Agora, lembra, o processo não é imediato, “não ficam logo disponíveis”, mas vai permitir que “os valores de venda se equilibrem e algumas sejam aproveitadas para arrendamento”. O responsável também aponta o dedo à banca, pois “não há crédito à construção”.

Fonte: https://www.dinheirovivo.pt/economia/construcao-esta-muito-focada-no-segmento-de-luxo/

Ministério do Mar aprova candidatura para construção de nova ponte-cais em Sesimbra
APSS prevê lançar concurso de empreitada em Julho. Nova ponte-cais vai permitir separar barcos de pesca das embarcações de recreio A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino,

Cidadãos ponderam travar construção de prédio da Portugália nos tribunais
A ausente, mas sempre presente na discussão, foi a Câmara de Lisboa, ainda que lá tenha estado o seu vice-presidente, que se manteve em silêncio. Projecto está em discussão

Emprego da construção recupera
Número de trabalhadores na construção não era tão elevado desde 2013, revela a Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (FEPICOP). A

CML aprova construção de 267 casas de renda acessível – 116 são no Parque das Nações
A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou, no início de novembro, o lançamento de mais duas operações no quadro do Programa de Renda Acessível (PRA). Ao todo serão

Luanda é principal mercado externo da construção portuguesa
Angola continuou a ser o principal mercado externo do setor português da construção, responsável por 28% da faturação no estrangeiro em 2017, o equivalente a 1.415 milhões

Desinteresse dos jovens ameaça setor da construção no prazo de uma década
A construção civil, a restauração e o turismo vivem realidades diferentes em Portugal entre os jovens que querem trabalhar, com o primeiro setor a sofrer do desinteresse e os