portugues ingles frances espanhol alemao
Apoio ao Cliente
9H-13H e 14H-18H

212 476 500

Faça Login ou
adira ao Portal Líder

Log In | Novo registo
Bem-vindo/a, Visitante
voltar

Construção contesta pagamento de IMI e do Adicional

2018-02-04

O sector da construção considera o IMI e o Adicional injustos e excessivos sobretudo quando incidem sobre o stock das casas detidas pelas empresas.

Daqui a algumas semanas, ao fisco vai começar a passara pente fino o valor patrimonial de todos os imóveis e a preparar as notas de pagamento do IMI e do Adicional ao IMI. As empresas estão isentas do AIMI nos imóveis afetos à sua atividade, mas não quando detêm casas em stock para venda – como sucede com as construtoras. A situação é “injusta” e “excessiva”, considera a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) que exige a revisão destes impostos. “O pagamento de IMI sobre os stocks de habitações detidas para venda por parte das empresas do sector, e que foi recentemente agravado com o AIMI, o IMI para o Estado, está a penalizar de forma injusta, os empresários do sector da construção”, afirma Reis Campos, presidente da AICCOPN que considera não existir “justificação plausível” para que estes impostos incidam sobre ativos que são o equivalente, na construção, a mercadorias em armazém que ainda não foram vendidas.

Numa altura em que o mercado imobiliário em Portugal – especialmente nas maiores cidades do país – regista subidas de preço que colocam muitos dos imóveis fora do alcance da bolsa de muitos portugueses, Reis Campos avisa que o IMI e a AIMI ainda vem colocar maior pressão nos preços. Na sua opinião, a fiscalidade sobre o imobiliário é um dos maiores entraves “ao correto ajustamento do mercado” a afirma que as empresas estão a fazer um “grande esforço” para não repercutir estes custos nos preços dos imóveis que vendem, sobretudo no interior do país, onde o dinamismo do mercado não é tão sentido. Considera, por isso, ser este o momento certo para atuar e exigir a revisão destes impostos.

Fonte: https://www.dinheirovivo.pt/outras/construcao-contesta-pagamento-de-imi-e-do-adicional/

Desinteresse dos jovens ameaça setor da construção no prazo de uma década
A construção civil, a restauração e o turismo vivem realidades diferentes em Portugal entre os jovens que querem trabalhar, com o primeiro setor a sofrer do desinteresse e os

Construção mantém dinamismo no 2.º trimestre
O Inquérito ao Emprego mostrou que trabalharam, em média, 315,7 mil pessoas na construção, uma subida de 12 mil em relação ao trimestre anterior. A seguir Falta de

AKI com os melhores números de sempre nas vendas através da internet
Julho foi o mês mais forte de sempre do AKI nas encomendas online, com os números a subirem 168% face ao mesmo período do ano passado e as visitas a crescerem 50%. Em valor

Portugal serve de inspiração a marca de decoração Williams-Sonoma
A casa de decoração, comida 'gourmet' e utensílios de cozinha Williams-Sonoma, que detém várias marcas nos Estados Unidos, criou a coleção 'Destination:

Faltam pedreiros e carpinteiros na construção civil em Portugal
Passados dez anos, a crise na construção civil deixou marcas. Hoje, ofertas de emprego nesta área não faltam, o difícil é conseguir preenchê-las. A crise na construção

Construção cresce ao ritmo mais rápido em mais de 12 anos
A construção voltou a acelerar o seu crescimento, em Junho, registando mesmo o ritmo mais rápido desde que há histórico, Março de 2006. O índice de produção na